O Mundo de Arton – Resenha

 A caixa de tormenta que tanto se falou finalmente chegou e com ela uma penca de modificações de regras do Tormenta D20 para o TRPG, além é claro das mudanças de cenário.

Sobre a caixa em sí eu aprovei a arte, mas eu gostaria de um material um pouco mais durinho (já que o suplemento não é dos mais baratos). Dentro dela encontramos dois suplementos escritos, O Mundo de Arton e o Panteão, um armorial colorido com todos os reinos de arton norte e a ilustração de todos os símbolos dos deuses em cores.

Os símbolos dos deuses estão fantásticos, com destaque para o touro em chamas de Tauron e a estrela de 5 pontas de Tenebra, na verdade a única modificação que não me agradou foi terem alterado o simbolo de Nimb para o dado selvagem já que pela natureza inconstante do clérigo um dado de seis lados com qualquer uma das faces era mais representativo.

O Armorial tem seus pontos altos e baixo. Nova Ghondriann, Yuden, Fortuna e Ahlen tem ótimas ilustrações e o detalhe da coroa nos reinos que possuem um regime monárquico foi uma ótima ideia. O que me incomodou mais nesse armorial foi o fato de Tollon e Pondismânia terem o mesmo símbolo (que não é tão simples e deferem apenas um do outro por causa das cores).

  Falando agora do suplemento O Mundo de Arton, ele possui apenas 64 páginas, mas com tanta informação que faz parecer ter mais. O pequeno livro começa falando sobre os reinos de modo geral, como a parte introdutória de cada reino do suplemento O Reinado, mas com alterações desses útimos anos pós guerras tauricas.

O capítulo seguinte é dedicado aos já conhecidos de muitos jogadores e mestres, os talentos regionais. Como a nova regra diz que os talentos devem ser adquiridos como talentos regulares e não de graça na criação de personagem eles se apresentam aqui de modo mais poderosos que suas útimas versões com destaque para Arma de Familia, Furtividade das Fadas, Herdeiro do Dragão e Mago Nato além daquelas que sempre foram interessantes como Conhecimento de Lendas e Aventureiro Nato.

O problema dos talentos regionais é que geralmente os mais interessantes ou que deveriam ser os mais comuns são bem inferiores em níveis de regra e não foi dessa vez que o problema foi resovido já que Amigo Invisível, Bairrismo, Conhecimento de Magia, Fúria Leal, Paciente, Pacisfismo, Patriota, Sangue Orc, Supertisticioso e Tatuagem Mística continuam pouco atrativos. Uma dúvida me veio quando estava lendo Prosperidade, se eu faço um personagem a cima do nível um eu recebo o bônus em dinheiro retroativamente do talento?

O capítulo Além dos Reinos traz a descrição de lugares e seus habitantes de destaque como As Montanhas Sanguinárias, A Grande Savana (com o Garfanhoto Tigre que tanto sentimos falta do bestiario), Galrasia, Vectora, o Deserto da Perdição e Tamura. Um ponto que me deixou desampontado foi deles não mencionarem Moreania já que além da HQ Dragon Bride até nos romances de tormenta pode se ver alguma influência dessas ilhas.

  Por último temos um capítulo dedicado as grande ameaças de Arton como A Tormenta (oh really?!),  A Aliança Negra e Sszzaazitas com ótimas descrições que servem como ideia para muitas aventuras e vários novos monstros. Como ponto forte eu tenho que citar que adicionar Sckar oficialmente como uma ameaça de escala global foi muito interessante, porém eu senti falta da praga de Lamatubar (mesmo que ela não seja um grande inimigo acho que esse devia ser o suplemento com sua descrição mais detalhada).

Sobre o Panteão ele também é ainda mais curto, mas além de ótimas ilustrações ele é recheado de informações sobre os deuses tão presentes de Tormenta. O Primeiro capítulo mostra as Obrigações e Restrições e a regra opcional para seu uso que já era usada por muitos dês de que Cassaro deu a ideia em seu formspring (sinceramente um clérigo que só tem que seguir a tendencia de seu patrono é muito sem “brilho” e ganhar um talento é algo mais que justo).

O segundo capítulo é a parte que realmente interesa aos jogadores com personagens divinos: Os Poderes Concedidos. Pontos legais são os talentos de Kallyadranoch, que te tornam mais aparentado com um dragão, o sempre interessante Sangue de Ferro, a correção que fizeram com a Aura de Paz (antes era ridiculamente poderosa), os talentos de cura de Lena e Cura Restrita (meu predileto tenho que admitir) que dá ao Devoto de Kenn um BBA de guerreiro! Como pontos negativos temos aqueles talentos que permitem conjurar uma magia de nível baixo uma vez ao dia, os dons de Khalmyr continuam muito fracos e uma dúvida muito grande quanto ao talento Cura Restrita, seus pré-requisitos dizem apenas servo de Keenn e capaz de lançar magias divinas então um feiticeiro com o talento Devoto teria o BBA de um Guerreiro? (!!!)

O capítulo final é dedicado aos servos supremos dos deuses do panteão, seus sumo-sacerdotes.  Para aqueles que acompanham tormenta dês do inicio vão notar a quantidade de enorme de personagens que perderam seus cargos de representante máximo de um deus maior a começar por Lissandra, conhecida por suas aventuras na maior saga das HQs nacionais Holy Avenger. Apesar de muitos serem contra essa mudança a história apresentada é bem embasada e interessante a nível de possibilitar aventuras (apesar de que sua ficha ter um ND bem a baixo do que eu esperava nas minhas contas, mas eu não entendo muito de regra para níveis épicos e talvez seja isso).

Desse capítulo minha única decepção é que Dee, sumo-sacerdote de Nimb conhecido por sua participação na clássica aventura O Dado Selvagem, está sem seus pirulitos e trocaram seu D6 pelo dado selvagem (como eu comentei antes). Apesar de que eu gostaria de falar muito sobre as histórias e ilustrações de todos os personagens desse capítulo vou apenas comentar sobre 3 que mais me encheram os olhos. Nialendarene, Uma Qareen do ar que é a nova escolhida de Wynna, que possui uma semelhança tão grande de corpo e espíritio com Niele que gera muita confusão. Myllena Marillon, a super forte, super rápida, super resistente, com poderes de vôo e visão de calor suma-sacerdotisa de Marah que foi achada ainda bebê por um casal de fazendeiros (se vocês ainda não descobriram a quem eu estou fazendo referência se matem) e mais tarde descobriu ser um anjo de Keenn. Minha parte favorita dessa caixa é a descrição desse NPJ: o Senhor Juldrian, homem bom do povo que passou a vida inteira tolerando tudo que lhe acontecia e quando descobriu que estava com uma doença terminal e viu sua vila sendo saqueada por orcs os enfrentou apenas com pedaço de pau, depois de morto (obviamente) foi ressucitado por clérigo de Thyatis e agora como seu sumo-sacerdote não tolera nada se não o melhor de todos que encontra em sua peregrinação.

No fim das contas essa caixa vem com tudo que esperamos dos suplementos de Tormenta, exeto pelo preço um pouco salgado. Muitas críticas sobre as regras que eu comentei podem ser corrigidas facilmente por um mestre experiente ou é provavel que eu mesmo acabe fazendo uma matéria com essas modificações, enqaunto isso aproveitem tudo que O Mundo de Arton oferece.

Anúncios

Um comentário sobre “O Mundo de Arton – Resenha

O que você acha?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s